"NOSSA VISÃO: CONHECER A CRISTO CRUCIIFICADO E TORNÁ-LO CONHECIDO, EM TODO LUGAR, POR MEIO DA GRAÇA."

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

VENCENDO A TENTAÇÃO

Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca. Mateus 26:41.
Quando uma pessoa nasce de novo segue-se certa euforia logo após a descoberta do que significa estar em Cristo. Entretanto, quando a tentação surge, desaparece a euforia, e com frequência o regenerado sucumbe. Torna-se confuso e fica imaginando como é que pode ser tentado, se Cristo mora dentro dele. Normalmente os que são tentados ficam imaginando algo como: “Se Cristo está em mim, como é que eu pude ser tentado daquele jeito? Como é possível eu abrigar os pensamentos que me sobrevêm?” Devemos entender que a tentação não é pecado. Jesus Cristo foi tentado em todas as coisas assim como nós. Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado. Hebreus 4:15.
Jesus, o Homem perfeito, impecável, conheceu a tentação em todas as áreas da vida, de todas as maneiras, como ocorre conosco. Tal compreensão nos convenceria, finalmente, que ser tentado não é pecado; entretanto, cristãos em número incontável se autocondenam porque sentem o chamado da tentação. A avaliação exata do que é a tentação nos livrará de estar em constante luta contra ela. O que é tentação? Tentação é apelo forte para que voltemos às trevas. É apelo à nossa humanidade, aos nossos apetites físicos, às reações normais de nossas emoções e racionalizações. Tiago nos demonstra passo a passo o processo da tentação: Cada um é tentado pela sua própria cobiça, quando esta o atrai e seduz. Tiago 1:14.
A palavra “cobiça” em geral vem associada ao mal. Contudo, na realidade cobiça significa simplesmente “desejo ou paixão”, que são anseios normais para a nossa carne humana. A palavra “seduzir” sugere a ideia de “atrair com boa isca”, que é o vocabulário próprio de caçadores e pescadores. Significa, literalmente, “enganar mediante uma isca”. Uma vez que concebemos a cobiça, ela d´a luz o pecado que gerará a morte. Tiago 1:15 Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte.
Quando utilizamos palavras como “seduzir” e “isca”, imediatamente pensamos em estímulos, excitação, em atração na direção de algo. O âmago da tentação é que nossos desejos humanos são atraídos fortemente na direção de algo existente no mundo. Tiago nos diz que isto não é pecado. Só se torna pecado quando o desejo concebe, ao passarmos da reação à decisão, a fim de perseguir com deliberação o que desejamos. Irmãos, tudo o que há no mundo se constitui um perigo para o filho de Deus. Tiago 4:4 Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus.
Nós não recebemos corpo ressurreto quando Cristo vem morar em nós; continuamos a manter ainda todos os apetites físicos normais e comuns ao gênero humano. Ainda sentimos fome, sede, atração sexual, e sentimo-nos cansados após longo dia, exatamente como Jesus se sentia. Se viciamos nosso organismo com drogas ou com álcool antes de termos recebido a Cristo, não será incomum o corpo sofrer alguns retrocessos e enviar mensagens ao cérebro solicitando alívio para as tensões, como o fazia antes. Por isso as Escrituras nos exortam em Tito 3:3 Pois nós também, outrora, éramos néscios, desobedientes, desgarrados, escravos de toda sorte de paixões e prazeres.
Porém, existem muitos cristãos que usam máscaras em todas estas áreas, fingindo que não experimentam reações diante da vida. O fato é que tais cristãos estão entre os primeiros a desanimar-se espiritualmente, porque a pessoa não consegue viver na irrealidade. Quando uma pessoa deixa o Senhor, ela não tem mais prazer em se reunir como igreja, e para se justificar, ela cria uma série de argumentos contra os irmãos, contra a liderança e, se projeta como uma pessoa justa. Na realidade ela deixou-se levar pela tentação na qual ela está presa. Caíram na rede da tentação! Eclesiastes 9:12b. Como os peixes que se pescam com a rede maligna e como os passarinhos que se prendem com o laço, assim se enlaçam também os filhos dos homens no mau tempo, quando cai de repente sobre eles.
Todo aquele que morreu e ressuscitou com Cristo é um com o Senhor numa perfeita união. Estando unido a Cristo, lá no âmago de seu ser o filho de Deus já não deseja pecar; deseja andar na justiça. Os pecadores não são tentados! Ainda estão nas trevas de seu pai, o diabo. A tentação só ocorre nas pessoas que deixaram o mundo. Como se livre do mundo? Encontramos a resposta em Gálatas 6:14 Mas longe esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu, para o mundo.
Quando vemos algumas folhas presas a um galho de árvore durante o inverno, sabemos que essas folhas já não constituem parte da árvore; morreram muitas semanas atrás. Mas na primavera a árvore disporá de tudo quanto não lhe pertence, e se revestirá de novas folhas, que são a expressão da nova vida. Colossenses 3:12 Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade.

Ninguém resiste à tentação mediante força de vontade. Mas nós resistimos e a vencemos ao nos voltarmos para Cristo, nossa vida interior. Cristo é reconhecidamente a resposta positiva aos desejos que foram estimulados de maneira negativa. A tentação é o meio pelo qual permitimos que Cristo viva poderosamente em nós. O filho de Deus jamais diz “não” à tentação, mas diz “sim” a Cristo. Amém.

Assista os estudos em áudio no YOUTUBE:

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

O PRIVILÉGIO DA ORAÇÃO

Disse-lhes Jesus uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer. Lucas 18:1.
Uma das maiores maravilhas do Universo deve ser o fato que nós, que somos somente “pó e cinza”, não somente temos permissão, mas somos encorajados e convidados a falar com Deus; e que palavras faladas na Terra são ouvidas instantaneamente no Céu, e que nosso Pai está disposto a responder estas orações. Será possível que nossos fracos gemidos podem mover o braço Onipotente do Todo-Poderoso?  A resposta é sim! Está escrito nos Salmos 66:19-20 Entretanto, Deus me tem ouvido e me tem atendido a voz da oração. Bendito seja Deus, que não me rejeita a oração, nem aparta de mim a sua graça.
Sem dúvida, a oração é o ar natural que um cristão respira, e, no entanto, é algo muito negligenciado por muitos que se chamam cristãos. Mas, graças ao Senhor que temos um Deus que pela sua bondade divina não está apenas em abrir àqueles que batem, mas também em levá-los a bater e pedir. Deus não presta atenção à pompa das palavras ou à variedade de expressões, mas à sinceridade e à devoção do coração. A chave abre a porta não porque é dourada, mas porque se encaixa na fechadura. Orar a Deus é um dos sinais de verdadeira conversão. Isso nos lembra do que é dito sobre Saulo de Tarso logo depois da sua conversão. O Senhor disse a Ananias em Atos 9:11 Então, o Senhor lhe ordenou: Dispõe-te, e vai à rua que se chama Direita, e, na casa de Judas, procura por Saulo, apelidado de Tarso; pois ele está orando.
Muitos não oram porque se acham grandes demais para se curvar diante do nosso Senhor. A oração certamente honra a Deus e desonra o eu. A oração começa e termina não com as necessidades do homem, mas com a glória de Deus. E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. João 14:13.
Há pessoas que não dão muita importância à oração. Podemos notar isto pela atitude informal que adotam vista na sua linguagem irreverente e na sua postura desrespeitosa. O fato que, em oração, estamos nos aproximando do “Alto e Sublime, que habita na eternidade, e cujo nome é Santo”, deve reger nossa maneira de nos aproximar Dele. No Antigo Testamento o privilégio do sacerdócio, que havia sido concedido à nação de Israel depois da sua redenção do Egito,
foi retirado, e a tribo de Levi em geral, e a família de Arão especificamente, foram escolhidas para gozar deste grande privilégio. Êxodo 19:5-6a. Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então, sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos; porque toda a terra é minha; vós me sereis reino de sacerdotes e nação santa.
Isso enfatiza o temor reverente que é devido ao nosso Deus, e
também o grande privilégio que temos de nos aproximar Dele.
Nesta era presente da igreja, Deus tem dado aos cristãos o que Israel perdeu, e agora cada nascido de novo é parte do “sacerdócio santo” que tem a honra de “oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo”. Também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por intermédio de Jesus Cristo. 1 Pedro 2:5.
Oração, em sua definição mais simples, é meramente um desejo expresso aos ouvidos de Deus. Oração não é algo que eu faço; é algo que sou. Todos que são nascidos de novo fazem parte deste sacerdócio, e não existe mais distinção entre os que podem se aproximar do trono e os que não podem. A linguagem é muito clara em Efésios 2:18 porque, por ele, ambos temos acesso ao Pai em um Espírito.
Por que devemos orar? Na vida do cristão há duas grandes influências, a Palavra de Deus e a oração. Moody disse: “Se lemos a Palavra, mas não oramos, podemos nos tornar orgulhosos com o conhecimento que adquirimos, sem ter o amor que edifica. Se oramos sem ler a Palavra, não conheceremos a mente e a vontade de Deus, e nos tornaremos místicos e fanáticos, e sujeitos a sermos levados por qualquer vento de doutrina”. Assim, para termos uma vida espiritual equilibrada, precisamos ter tempo para a Palavra e para a oração; e de fato, a Palavra frequentemente nos exorta a orar. Paulo afirma que a oração precisa ser praticada. Antes de tudo, pois, exorto que se use a prática de súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens. 1 Timóteo 2:1.
Se seus problemas dominaram sua vida ou se existem há muito tempo, experimente ajoelhar-se. Ele tem prazer em ouvir a sua oração. As montanhas dos problemas podem ser escaladas só de joelhos. É por isso que tentar fazer alguma coisa para Deus sem oração é tão inútil quanto tentar lançar um satélite com um estilingue. Realmente é uma grande prova da Sua graça que o Senhor deseja ouvir as nossas orações! Cantares 2:14 Pomba minha, que andas pelas fendas dos penhascos, no esconderijo das rochas escarpadas, mostra-me o rosto, faze-me ouvir a tua voz, porque a tua voz é doce, e o teu rosto, amável.
A oração é o elo que liga a Terra com o Céu. Este elo, que representa a comunhão, talvez seja uma das maiores bênçãos que flui da oração. Não é tanto para garantir que Deus responda quando pedimos uma vida sem preocupações e dores, mas para nos levar a uma comunhão mais íntima com Deus, para que possamos apreciar as Suas obras soberanas de um modo mais inteligente e espiritual. É pela leitura da Palavra de Deus e pela oração que podemos discernir a Sua vontade e assim orar de maneira aceitável, pedindo aquilo que está em harmonia com a Sua vontade. E esta é a confiança que temos para com ele: que, se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve. 1 João 5:14. Amém.



Assista os estudos em vídeo no YOUTUBE: